Este pseudoensaio, como o nomeia o próprio autor, nos leva a uma das questões centrais da obra de João Guimarães Rosa: a existência (ou não) de Deus e do Diabo. Com Demonioinexistiencia e Deusexistência em Grande sertão: veredas, Geraldo Magela da Silva nos fala com a propriedade de quem mergulhou no universo rosiano, viajou pelos confins de Minas Gerais seguindo as trilhas de Riobaldo Tatarana, ousou adentrar a alma sertaneja e, consequentemente, nossos maiores questionamentos. Deus existe? O Diabo existe? Quais as fronteiras entre o bem e o mau? No entanto, como ele mesmo deixa claro nas primeiras linhas “Este texto não quer, necessariamente, dizer sins ou nãos”. Em seu caminho, Geraldo Magela da Silva adentra a linguagem escrita, extrapola a língua, bebe na filosofia, na teologia, no ateísmo, apropria-se da lógica, da oratória, da iconoclastia, da fé. Existir e inexistir transfiguram-se na palavra, na literatura.

E faz isso com a maestria de quem também mergulha na obra de seu conterrâneo (Geraldo é mineiro como Rosa) e extrai dela tudo o que a linguagem permite. Surpreende-nos com a forma como apresenta um texto que tangencia a forma de escrever de Rosa, mas é ao mesmo tempo original, com a mesma força de quem lapidou a palavra até dar a ela novos significados, encaixes, sintaxes. Assim, ele nos transporta para o sertão e para o interiores de Minas Gerais, da literatura e de nós mesmos.

 

Doe um livro para uma entidade cultural. 

 

Leia um trecho do livro

 

DEMONIOINEXISTÊNCIA E DEUSEXISTÊNCIA EM GRANDE SERTÃO: VEREDAS Geraldo Magela

R$ 35,00Preço
  • Geraldo Magela da Silva nasceu em Araújos, nos oestes de Minas Gerais. Desde a infância, adorava ouvir os causos dos adultos que viviam à sua volta. De modo especial, atentava para as longas conversa entre seu pai, João Theodoro, e seu avô, Alcino Theodoro, de alcunha Arcino Filício, um homem sertanejo, grandalhão em suas formas e em sua sabedoria. Embora tenha enveredado, mais tarde, por outras ciências (Geraldo é agrônomo), essas conversas o mantiveram conectado ao mundo-sertão. E foi a sabedoria das palavras contadas e cantadas que prevaleceu em sua vida. Tornou-se contador de histórias, como seu pai e seu avô.

  • 80 páginas

    1a Edição

    Editora Mireveja

    978-65-86638-09-7

    Capa e projeto gráfico: Alexandre Pottes Macedo