O vazio não está nem quando é silêncio – vozes femininas na literatura reúne contos, crônicas e microcontos assinados por vinte e uma escritoras – entre iniciantes e profissionais. São vozes distintas, seja no estilo da escrita, seja no posicionamento ou na militância. Ao mesmo tempo, são vivências que se entrelaçam em aspectos como maternidade/não maternidade, trabalho, rotina, autoestima, violência, libertação, amadurecimento e resistência.

As autoras deste livro também estão ligadas por uma condição geográfica: todas elas viveram ou ainda vivem na cidade de Bauru, no interior de São Paulo. E agora se juntam neste projeto idealizado por uma editora de pequeno porte, independente e distante dos principais centros – e que também resiste.

Se a vida de todas essas mulheres se cruza em um ponto no mapa, suas histórias são universais, como é a literatura. Este livro, portanto, fala a todas, a todos, a todes. Em alto e bom som. É imprescindível ouvir.

 

CONTOS E CRÔNICAS

 

Leia um trecho de 

O vazio não está nem quando é silêncio

 

 

A VOZ E A VEZ DAS MULHERES NA LITERATURA

 

Vinte escritoras bauruenses ou que já viveram em Bauru assinam os contos e crônicas do livro O vazio não está nem quando é silêncio – vozes femininas na literatura, uma coletânea de contos e crônicas assinada por mulheres e que tratam exclusivamente do universo feminino.

Com 144 páginas, o livro traz vinte textos que falam de assuntos como solidão, afeto, maternidade/não maternidade, sexualidade, trabalho, loucura e ainda oferecem boas pitadas de humor. “Nós vemos esse livro como um ato de resistência frente a um dos maiores desafios da sociedade contemporânea: garantir e ampliar a voz das mulheres. São vinte vozes distintas, mas que se complementam, tanto no estilo de escrita, como na abordagem de temas como o racismo, a solidão e a maternidade”, explica a escritora Patrícia Lima, organizadora da obra.

Autora de O amor é solo de jazz, lançado em 2020, Patrícia é formada em Letras e uma das coordenadoras do grupo de leitura Cevadas Literárias, com quase três anos de atividades.

 

Diversidade

 

O vazio não está nem quando é silêncio inclui textos de autoras nascidas em Bauru ou que viveram na cidade por um período (confira abaixo a lista com todas as escritoras e seus respectivos textos), como é o caso de Carolina Bataier, natural de Duartina e que permaneceu na região entre 2013 e 2019, atuando como jornalista em veículos de imprensa. Seu livro, O pôr do sol dos astronautas, foi lançado nesse período, em 2018. Carolina assina o conto “Onde a chuva que cai”, que trata da solidão possível nos relacionamentos. Outro exemplo é Adriana Maximino, nascida em Bauru e hoje residente em Frankfurt, na Alemanha, onde trabalha como tradutora. O conto “A estrada que não segui” é seu primeiro texto publicado em livro.

Algumas autoras têm sua trajetória de escrita atrelada às redes sociais, como Instagram, Facebook e Medium. É o caso de Micheli Betti, que publica em livro físico pela primeira vez e nos apresenta uma leitura de Capitu, célebre personagem de Machado de Assis, adaptada para os tempos de matchs e encontros virtuais.

Dessa forma, o livro une autoras experientes e premiadas a jovens estreantes no mercado editorial, o que também tem reflexo na diversidade de temas. Renata Machado, com três livros publicados e prêmios literários (foi ganhadora do Prêmio Oswald de Andrade de  dramaturgia com O menino minguado, filho da lua cheia) nos fala do amor na maturidade, no texto que dá nome ao livro. Mostra que as relações humanas podem fincar raízes no tempo. É autora dos livros Tardes Secretas, Noroeste e Aos que me foram caros e alguns mais baratinhos.

Outras abordam questões relevantes como o racismo estrutural e suas consequências para as mulheres pretas. É o caso de Fernanda Rosário e Titta Santos, que adentram esse aspecto nefasto da sociedade e mostram como ele pode infiltrar-se no corpo feminino, chegando a privá-lo de bens elementares como o afeto.

A diversidade se aplica também às profissões das integrantes do livro, que reúne estudantes, professoras, tradutoras, jornalistas, pesquisadoras, grafiteiras, compositoras, cantoras, psicólogas, administradoras, esteticistas entre outras profissões e habilidades.

 

O LIVRO QUE VIROU MÚSICA

 

Inspirada no livro O vazio não estão nem quando é silêncio, que será publicado este mês, em Bauru, a escritora e compositora Karina Limsi lança música e vídeo inéditos. Um livro pode ser extremamente inspirador e ir além da literatura. E foi isso o que aconteceu com a escritora e compositora Karina Limsi, que acaba de dar vida a uma canção e um vídeo inspirados em um dos textos do livro O vazio não está nem quando é silêncio – vozes femininas na literatura, que traz contos e crônicas de 21 escritoras bauruenses e será lançado dia 23 de setembro. A canção “O vazio não está”, composta por ela e o músico André Fernandes, nasce da leitura do conto de outra escritora, Renata Machado, que dá título à coletânea.

 

Veja o clipe clicando aqui


 

O VAZIO NÃO ESTÁ NEM QUANDO É SILÊNCIO - Patrícia Lima (Org)

R$ 40,00Preço
  • Patrícia Lima - Organização

    Adriana Maximino - A estrada que não segui

    Agnes Analua Barbosa - O doído adeus do amor

    Anália Souza - Um flerte com a impossibilidade

    Ana Paula Benini - O fim de um tempo

    Ariane Suaiden - Desaperto

    Bruna Mendonça - Ordinário

    Carolina Bataier - Onde a chuva cai

    Carolina Firmino - À sombra de um girassol

    Fernanda Miguel - A louca

    Fernanda Rosário - No encontro com os meus, eu me vi

    Karina Limsi - Elucubrações em torno da palavra baque

    Karol Lombardi - Cheiro de choro

    Mariana Meira - Mas digam ao povo que fico

    Marina Leal - {Sem título}

    Micheli Betti - Uma Capitu em tempos de match

    Nane de Sousa - Um dia ectópico

    Natália Mota - Bicho do mato

    Priscila Brosco - Conto erótico

    Rebeca Almeida - Teatro no consultório

    Renata Machado - O vazio não está nem quando é silêncio

    Titta Santos - Des-aforismos

  • 144 páginas 

    1a Edição

    2020

    ISBN: 978-65-86638-03-5

    Capa e projeto gráfico:  

    Luciana Facchini

    Preparação e revisão:

    Fabiana Biscaro

    Tamanho: 12 cm x 19 cm