HUMANIDADES

 

ATENÇÃO:

O LIVRO SERÁ ENVIADO A PARTIR DO DIA 18 DE AGOSTO

LANÇAMENTO PREVISTO PARA O DIA 1 DE SETEMBRO

 

Racismo, escravidão e capitalismo

 

Por Ricardo Antunes 

(Professor titular de Sociologia do Trabalho da Unicamp)

 

A brutalidade do espancamento até a morte de Moïse, no Rio de Janeiro, em meio a uma inumerável sucessão de violências contra a classe trabalhadora, é por demais emblemática. Moïse enfeixava, em seu ser, a condição de trabalhador, imigrante e negro. E é exatamente nessa imbricação que o vilipêndio se avoluma. O capitalismo de nosso tempo, pautado cada vez mais pela destrutividade e pela letalidade, tal como o nazismo e o fascismo fizeram no século passado, não tolera nem a classe trabalhadora, nem os imigrantes, nem os negros e negras, nem os indígenas, nem os gêneros livres.

A origem da colonização no Brasil, todos sabemos, foi fincada no solo abjeto da escravização. Para tanto, foram brutalmente eliminadas as comunidades originárias e, para regozijo da classe dominante senhorial, branca e europeizada, gestou-se a exploração ilimitada do trabalho escravizado. Chaga que marca nosso país até hoje.

É exatamente desse ponto central que o livro de Wagner Miquéias Damasceno parte: o racismo, impregnado que está na pragmática da burguesia predadora que aqui existe e persiste, não foi responsável pela criação do capitalismo. Ao contrário, trata-se do exato inverso: foi o capitalismo gestado no processo de exploração colonial que criou e fez expandir o racismo. E nossa classe dominante tanto disso gostou que foi das últimas a aceitar o fim do trabalho escravo, recriando-o, entretanto, sob a modalidade horripilante do trabalho escravo dito “moderno”. É por isso que devemos repetir, uma vez mais: só teremos emancipação humana e social quando a classe burguesa fizer definitivamente parte do passado.

Sem isso, teremos mais racismo, mais exploração, mais xenofobia, mais homofobia, mais exploração, uma vez que o capitalismo de nosso tempo convive muito bem com as aberrações neofascistas e neonazistas.

Recuperando de modo vivo, atual e contundente o melhor da crítica marxista ao racismo, esse livro nos faz reviver a fértil pista que nos foi indicada por Karl Marx, em O capital, mais de um século e meio atrás, quando, ao tratar do escravismo colonial nos Estados Unidos, escreveu: “o trabalho de pele branca não pode se emancipar onde o trabalho de pele negra é marcado a ferro”.

 

 

RACISMO, ESCRAVIDÃO E CAPITALISMO - Wagner Miquéias Damasceno

SKU: CAP
R$ 65,00 Preço normal
R$ 50,00Preço promocional
  • Wagner Miquéias Damasceno é militante do movimento negro e socialista. É professor no Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) e doutor em Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

  • Racismo, escravidão e capitalismo: uma abordagem marxista

    Wagner Miquéias Damasceno 

    Capa: Wlad Pieroni

    Projeto gráfico: Cíntia Belloc

    1a edição

    2022

    320 páginas

    ISBN: 978-65-86638-26-4