Captura_de_Tela_2020-05-01_às_07.12.44

Algumas viagens entram para a história. Outras entram também para a literatura. Foi o que aconteceu com escritor João Guimarães Rosa, quando, em maio de 1952, lançou-se numa aventura pelo sertão mineiro que marcaria sua vida e sua obra. Acompanhado de oito vaqueiros levando 300 cabeças de gado, percorreu em dez dias os 240 quilômetros que separam as cidades de Três Marias e Araçaí, ambas na região central de Minas Gerais, sua terra natal.

Quatro anos depois, em 1956, lançaria duas de suas obras mais importantes – Grande sertão: veredas e Corpo de baile, que mais tarde se desmembraria em três volumes (Manuelzão e Miguilim, No Urubuquaquá, no Pinhém e Noites do sertão).

Essa viagem (e a obra) do ilustre mineiro foi justamente a base do roteiro traçado por Leila Chandani, passando pelas fazendas centenárias que deram abrigo ao escritor naquele ano de 1952. E disso tudo se originou este relato poético/visual.

O roteiro visual de Leila Chandani incluiu ainda outros locais citados em livros e contos - Primeiras estórias,  Sagarana e “O recado do morro”-, bem como o lendário rio São Francisco e vilarejos que preservam o ser e o viver do universo roseano.

Recordanças
Fotolivro
Leila Chandani

Tiragem especial da autora

Não está à venda

82 páginas 

1a Edição

Editora Mireveja

Capa e projeto gráfico: Alexandre Pottes Macedo

Tamanho: 14cm x 21cm

SOBRE A AUTORA

Leila Chandani é paulista de nascimento, carioca de crescimento, baiana por adoção e mãe de três homens que me dão muito orgulho.Na fotografia, já participou de bienais, salões de arte, concursos nacionais e internacionais e viu suas imagens seguirem pelo mundo. Realizou exposições, como “Multiverso Bahia” (2018), “Fé menina... na fotografia” (2019), “Uma foto para Frida” (2019) e “Tributo a Iemanjá” (2020). Sanitarista aposentada, tornou-se uma apaixonada pela fotografia ao ampliar o olhar sobre a essência do mundo ao seu redor e valorizar a beleza das coisas simples e, assim, ressignificar cada nova etapa de vida. Eis aqui um pouco do que Leila vê e sente.